Saiba como emagrecer utilizando a Dieta Paleolítica

Situações de jejum prolongado e carne á vontade é o que serve como alguns pilares da dieta.

Postado em 18/05/2018 por Silas Belucio.

A Dieta Paleolítica vem sendo adotada cada vez mais pelas pessoas com uma promessa de emagrecimento e um tipo de vida mais saudável e considerado inclusive naturalista. Seu maior atrativo está no seu lado inusitado, este que prega o jejum prolongado, e o consumo de carne á vontade e restrição de carboidratos no estilo dos homens das cavernas.

Outra particularidade é que esta dieta acaba por propor um retorno da alimentação dos ancestrais, estes que se alimentavam de carnes, frutos e sementes, com uma justificativa que essa é a alimentação para que nosso organismo foi moldado por milhares de anos. Esta dieta é constituída com uma premissa de que as doenças comuns nos dias de hoje são resposta do nosso corpo ao excesso de carboidratos, açúcares, e alimentos processados que são impostos pela dieta contemporânea.

Saiba como emagrecer utilizando a Dieta Paleolítica

Mesmo que soe radical, a maioria dos seguidores defendem uma dieta paleolítica é adaptada para as características de cada um deles.

Por que a dieta paleolítica ajuda a emagrecer?

A carne que é proveniente de todos os tipos de animais era considerada a base da alimentação durante o período Paleolítico. As carnes são fontes de proteínas, nutrientes de grande importância na alimentação assim que fazem parte da composição de músculos, e a recuperação dos tecidos, além de se tornar um substrato para produzir hormônios, enzimas, anticorpos e diversos outros tipos de agentes metabólicos. É através das carnes que estão concentradas a maioria das quantidades de aminoácidos essenciais, os que não são produzidos de forma natural para o nosso organismo.

É importante ainda se tomar cuidado com esse á vontade. As proteínas em excesso poderão gerar efeitos colaterais, entre eles a retirada de cálcio dos ossos, a acidificação do sangue, sobrecarga dos rins, os limites indicados pela OMS é o consumo de pelo menos 30% das nossas calorias diárias correspondendo á proteína.

Na dieta paleolítica nada de consumir grãos e massas

Nesta época, como não existia cozinha, e os homens não plantavam o trigo, o milho, o arroz, quem dirá moíam e misturavam os grãos do período paleolítico. As massas não existiam e por este motivo são excluídas naturalmente da dieta, por este motivo, as fontes de carboidratos acabam se tornando as naturais.

A partir disto as fontes de carboidratos se tratam dos legumes, verduras e frutas que trazem uma boa quantidade que precisamos destes macro nutrientes e uma boa quantia de fibras, tendo assim um menor índice glicêmico do que quando falamos de massas.

Estes alimentos se convertem em glicose na digestão, o que dá uma boa energia ao nosso corpo, e é levada para as células pela insulina. Se a glicose estiver sobrando, ela será convertida em triglicerídeos, uma energia que é armazenada para mais tarde, mas que se não for utilizada, acaba se acumulando em forma de gordura localizada.

Além disto é fundamental se abusar de vegetais e frutas, não se preocupar com gorduras, consumir água e nada mais, além de vetar os alimentos industrializados.